Nangten Menlang - Centro Médico Budista

Bön

Tulku Lobsang iniciou a sua educação monástica oficial com seis anos de idade. Esta teve início quando ingressou no mosteiro Bön de Nangzi. Aí, recebeu muitos ensinamentos, iniciações e transmissões de base desta tradição espiritual do Tibete.

Para muitas pessoas, o Tibete é uma terra budista. Mas, na verdade, muitos tibetanos e Lamas também praticam Bön, independentemente ou em conjunção com o budismo. Superficialmente são budistas, mas escondem um núcleo Bön.

A tradição Bön tinha raízes profundas antes da chegada do budismo. Quando o budismo foi introduzido no Tibete, por volta do século VII, a tradição Bön começou por ser perseguida e difamada no âmbito dos esforços de implantação da nova religião. No entanto, os Bonpos (como são designados os seus praticantes) mantiveram-se firmes. Eventualmente, a tradição Bön não só teve continuidade, como prosperou, tendo adaptado as suas práticas de modo a incluir os princípios do budismo que contribuíam para a sua visão do mundo e para aprofundar os seus objectivos de caminho. Por exemplo, a forma mais elevada de Bön, o Dzogchen, assemelha-se muito ao Dzogchen da escola Nyingma, que é a mais antiga das quatro principais escolas do budismo. Ambas são doutrinas espirituais de grande relevância.

A tradição Bön é uma religião ancestral, mas que conserva actualmente toda a sua vitalidade e presença.

Os Bonpos tentam harmonizar o microcosmos com o macrocosmos. Quanto mais alinhados estiverem o indivíduo, a família e a sociedade com os ciclos e forças da natureza, menos sofrimento e mais sucesso lhes acontecerá na vida. Os Bonpos acreditam que existe divindade em toda a natureza — tanto nos elementos como em cada um de nós. Por isso, torna-se importante desenvolver relacionamentos positivos entre o indivíduo e os vários aspectos da natureza. Desta maneira, os espíritos e forças da natureza podem ajudar-nos, removendo obstáculos e apoiando-nos no nosso caminho de auto-consciência.

A tradição Bön ensina-nos ainda acerca das nossas energias inatas de cura e como podemos rejuvenescer-nos e equilibrar-nos. Existem muitas técnicas de meditação e movimento que aprofundam a nossa consciência e sensibilidade dos aspectos mais subtis do nosso ser. Aprendemos a ligar-nos aos cinco elementos, que são as qualidades energéticas fundamentais da nossa natureza interior e exterior.

O Dzogchen, um dos ensinamentos mais elevados, faz igualmente parte da tradição Bön. O objectivo do Dzogchen, ou Grande Perfeição, é entrar no estado natural da mente, que é luz pura e sabedoria. Não há nada a tentar, nada a aceitar ou rejeitar e nada a transformar. É um estado de auto-perfeição em si mesmo, e é-nos acessível porque é a nossa natureza.

Tulku Lobsang entrelaça a sabedoria de todas as linhagens do budismo tibetano e da tradição Bön. Todas nos ensinam a verdadeira natureza da nossa existência. A essência dos ensinamentos mantém-se inalterada — no coração da nossa natureza está a sabedoria e a luz pura, clara, e existem muitos métodos que nos permitem entender isso por inteiro.