Nangten Menlang - Centro Médico Budista

Gyulu

Vivemos actualmente uma existência temporária. As nossas perspectivas e as nossas emoções estão em constante mudança. O que nos faz felizes num dado momento, desaparece no momento seguinte. E por causa disto, a nossa felicidade é a maior causa do nosso sofrimento. Mas não tem de ser assim! Se conseguirmos abrir caminho através da ilusão da existência temporária, se conseguirmos reconhecer que nada existe da forma que acreditamos e que tudo não passa de uma projecção dos nossos pensamentos, podemos existir de maneira infinita.

A prática do Gyulu dá-nos as ferramentas para abrir caminho através da ilusão. Com este ensinamento, aprendemos a descascar as várias camadas da ilusão para que possamos ver-nos verdadeiramente. Passaremos a ter consciência de como somos afectados pela emoção e auto-apego. A maior fonte da nossa ilusão é o conceito de “eu”. Acreditamos na ideia de um “eu” separado e, em cada momento, agimos de acordo com esta crença, o que habitualmente implica agirmos com espírito de raiva e apego. Não existe um “eu” com existência própria, sólido. Quando o procuramos, percebemos que não o encontramos. Mas apenas entendemos isto quando procuramos verdadeiramente.

O Gyulu é a prática do corpo ilusório. Aprendemos a reconhecer a ilusão de um “eu” sólido. Aprendemos a reconhecer a ilusão de “ter”. Aprendemos a reconhecer a ilusão das emoções negativas. É assim que aprendemos a ver a verdadeira natureza dos fenómenos. Aprendemos a ver com olhos de sabedoria.

Talvez não nos libertemos completamente da ilusão com esta prática do Gyulu, mas é certo que teremos menos sofrimento na nossa ilusão. Talvez não nos libertemos totalmente da dor mas, pelo menos, teremos menos dor.